EDU

Histórico

A Universidade Católica de Pelotas começou suas ações de Educação a Distância no ano de 1999, na forma de um Programa Institucional. Os primeiros projetos buscaram o estabelecimento de parcerias internas e externas, trataram da formação do quadro docente e técnico­-administrativo, juntamente com a montagem de uma infraestrutura tecnológica que possibilitasse o uso integrado de recursos e serviços telemáticos em processos de ensino­-aprendizagem, ocorridos em diferentes eventos e níveis de formação promovidos pela Universidade.

Projetos conduzidos por uma equipe multidisciplinar e multifuncional para o desenvolvimento de disciplinas pertencentes à matriz curricular de cursos de graduação presencial foram iniciados no ano de 2005.

Em 2009, o enfoque do trabalho no contexto da EaD Institucional foi direcionado para o desenvolvimento de Atividades Complementares Gerais, na forma de eventos de aprendizagem on­line e semiprencial, com material didático e processos avaliativos realizados por docentes da instituição com a mediação do Sistema Gerenciador de Aprendizagem Moodle.

No ano de 2014, conforme previsto no Plano de Desenvolvimento Institucional, as Políticas de Educação a Distância foram atualizadas, resultando no início das ações necessárias ao credenciamento institucional, junto ao Ministério da Educação.

Como resultado dos projetos e programas desenvolvidos pela UCPel, no período de 1999 até o momento foram:

  • capacitados docentes, pessoal técnico-­administrativo e discentes;
  • modelados e implementados cursos de extensão;
  • modeladas e implementadas disciplinas de graduação presencial;
  • modeladas e implementadas atividades complementares gerais para cursos de graduação presenciais;
  • certificados alunos em cursos de extensão.

O curso de Tecnologia em Segurança Pública, primeira oferta institucional de graduação a distância, foi implementado com base num paradigma de trabalho colaborativo e realizado durante encontros presenciais complementados por atividades assíncronas on­line, apoiadas, principalmente, com o uso da Plataforma Google for Education.

Concluída a elaboração do Projeto Pedagógico do Curso e de outros documentos de gestão (“Modelo de Negócio” e “Plano de Projeto”), foi protocolado, no Ministério da Educação, o pedido de credenciamento institucional e de autorização de curso.

A partir de 2017, as ações referentes à modalidade de educação híbrida estão sendo incorporadas ao Labie (Laboratório de Inovação Educacional), que além do desenvolvimento e utilização de novas tecnologias tratará de abordagens metodológicas relacionadas à aprendizagem ativa.